terça-feira, 27 de novembro de 2018

Durante sessão engenheiro explica paralisação de obras e surgem novas polêmicas



Após o presidente João Batista abrir a sessão, o primeiro secretário (Dêda) fez a leitura da ata da sessão do dia 10 de novembro a qual foi aprovada por unanimidade, em seguida dois requerimentos foram apresentados, onde um deles é de autoria do vereador Vandesson Barbosa solicitando a construção de mata burros nas estradas comerciais que dão acesso as comunidades rurais à sede do município, o outro requerimento foi de autoria do vereador Weslley Carvalho onde pede ao secretário de transporte a relação dos motoristas e o livro de ponto. Em seguida depois de algumas alterações feitas foi apresentado o projeto de Lei n°10 que dispõe sobre a política dos direitos da criança e do adolescente, também foi apresentado o projeto de Lei n°12/2018 que altera o inciso III do art.3° da Lei 110/2015 que cria no município o prêmio PMAQ/AB.

O vereador Zezinho Simoa usou a tribuna para responder as críticas feitas pelo o vereador Weslley Carvalho e disse que não teria chamado a família Fausto de falsos como o vereador Weslley Carvalho havia dito, disse ainda que o vereador Weslley havia falado que ele (Zezinho) estava preocupado com os altos salários que as esposas dos vereadores João Batista e Dêda recebiam, mas que isso teria partido do vereador Weslley e não dele (Zezinho). Ainda na oportunidade Zezinho disse que a sua esposa recebe 1.400 R$ (mil e quatrocentos reais) e não 2.000 R$ (dois mil reais) como tinha dito Weslley e que a mesma exerce sua função, o vereador falou que seu filho não exerce a função de motorista e não recebe o salário como o vereador Weslley havia dito que ele recebia sem se quer pegar em uma chave de um carro.  

O vereador Weslley Carvalho no uso da tribuna disse que no mês de maio de 2017 a esposa do vereador Zezinho Simoa já era funcionária da UBS e teria um pagamento no nome da esposa do vereador Zezinho e ainda que o filho do vereador constava no TCE como empenhado e pago o mês de setembro de 2018, lembrou ainda que a justiça estava resolvendo os problemas e citou alguns exemplos para mostrar a eficácia do poder judiciário, disse que achava que o vereador Zezinho Simoa era merecedor da presidência da casa, mas a política teria fatores e jogo de interesses. O vereador Weslley Carvalho pediu desculpas e lembrou que jamais subiu na tribuna para denigrir a imagem de ninguém e pelo contrário, subia na tribuna com o propósito de fazer o seu melhor, falou que não tinha um aliado do ex prefeito nas bolsas assistenciais afirmando que seria politicagem.

O engenheiro fiscal do município Hesley Minervino usou a tribuna para falar como se encontrava as obras públicas e explicar porque as obras que se encontram paralisadas estavam atrasadas, o engenheiro falou que o Tribunal de Contas faz o acompanhamento das obras públicas através de um programa de computador chamado GEO Obras que foi atualizado recentemente, o mesmo falou que entrou com a missão de tirar as pendencias existentes no município nas obras públicas, ele levou uma lista com 17 obras que ao invés de publicar em redes sociais tinha procurado beneficiar a cidade retirando essas pendencias, onde entre as obras na lista constavam obras referentes a 2013 e citou o serviço de abastecimento de água do sítio Pedra D`água onde apresentava dimensão zero e não apresentava georreferenciamento (como o tribunal de contas acha uma obra na cidade), possui uma planilha mas, não tinha sido anexada, não tinha projeto, não tinha foto entre outros pontos. 

O engenheiro estava explicando a situação de outras obras do município que possuem pendencias e que estavam sendo corrigidas, quando o vereador Chico Furtado pediu a palavra e perguntou a situação que se encontrava a escola do sitio Guiada, o engenheiro disse que iria deixar essa obra para falar depois mas, resolveu começar a mostrar a situação, ele falou que o terreno teria sido uma doação e tinha sido feito uma desapropriação no nome da pessoa que doou o terreno onde foi devidamente assinado pelo antigo gestor municipal a partir de um decreto de desapropriação mas, existiria um pagamento feito da desapropriação no nome de outra pessoa onde o engenheiro não saberia explicar o motivo e falou ainda que não deveria ter sido pago a outra pessoa, disse que o empenho  era público e se encontraria no Sagres do TCE PB com o valor de 20 mil reais empenhado e pago. Em seguida o vereador Mano Laurindo pediu a palavra para dizer que o vereador Weslley Carvalho foi à tribuna e teria falado que o terreno teria sido doado e se fosse constatado que teria sido feito o pagamento renunciaria ao mandato, ainda sobre a escola Guiada o engenheiro afirmou que foram pagas cinco medições onde essas medições são artifícios que a prefeitura usa para pagar a empresa por executar um serviço, o engenheiro encontrou empenhos que foram pagos por serviços que já teriam sido executados. O Vereador Weslley pediu a palavra e falou que teria sido um erro da contabilidade os 20 mil reais pagos que constava no empenho com nome de outra pessoa e que o TCE PB já aceitou a justificativa de que o pagamento seria referente a desapropriação no terreno da UBS do triângulo, depois o vereador pediu ao engenheiro uma explicação de como em 2015 o ex prefeito pagou pela desapropriação de um terreno onde é a POLICLINICA o valor de 20 mil reais e está constando no sagres que o advogado do município recebeu os 20 mil reais por essa desapropriação, o engenheiro explicou ao vereador que a gestão anterior tinha desapropriado o terreno em um valor inferior ao que ao que valia e o proprietário do terreno acionou a justiça  e a prefeitura perdeu a causa.

Ao final da sessão foram colocados em votação os projetos de Lei n°11/2018 que dispõe sobre as alterações da Lei Municipal n° 131/2017 – Plano Plurianual para o período 2018-2021 e contêm outras providências, o Projeto de Resolução n° 01/2018 o qual fixa as despesas da Câmara Municipal para o exercício financeiro de 2019 e o projeto de Lei Ordinária n° 13/2018 que cria os componentes do Município do sistema de segurança alimentar e define os parâmetros para elaboração e implementação do Plano Municipal de segurança alimentar e nutricional e dá outras providências, os três projetos foram aprovados por unanimidade.

Diante de tudo isso que foi exposto na sessão da câmara de vereadores esperamos que tudo seja esclarecido e apurados para que não traga dúvidas sobre os recursos financeiros aplicados no município, muitos fatos estão aparecendo recentemente na cidade, desta forma, vamos ficar de olhos abertos nas próximas notícias.     









                                              OlhoD`águaNotíciasPB
Brasil
Paraíba
Deixe seu Comentário

0 comentários: